• info@travelporto.com

Concertos

Inauguração das Luzes de Natal

 

Será no feriado do próximo dia 1 de dezembro que o Porto se ligará oficialmente ao Natal, inaugurando as iluminações de rua e a Árvore de Natal da cidade. O momento será acompanhado por um espetáculo de fogo de artifício, com início às 18 horas.

O programa começa logo ao início da tarde e estende-se um pouco por toda a Baixa do Porto, tendo a música como principal fio condutor. Logo a partir das 15 horas, haverá coros e bandas itinerantes a percorrer as principais ruas e praças do centro da cidade. Uma hora depois, a escadaria dos Clérigos servirá de palco para o primeiro dos sete concertos de mais um ciclo “Natal à Porta”.

Mas o epicentro da festa está marcado para os Aliados, onde o programa se inicia às 15,30 horas, com um espetáculo de comédia do artista de rua francês Mr. Bang. A sua missão é encantar o público com habilidades absurdas, truques e comédia explosiva.

Pelas 16,30 horas tem início o concerto de Carolina Deslandes. O palco montado junto ao Espelho de Água, na placa superior dos Aliados, será o cenário perfeito para acolher uma das maiores artistas da atual geração de cantores e compositores portugueses.

Temas como “A Vida Toda” e “Avião de Papel”, do seu terceiro álbum, “Casa”, são alguns dos êxitos que se farão ouvir neste concerto especial, que antecederá o momento da ligação das luzes e da Árvore de Natal, marcado para as 18 horas.

Já com toda a cidade iluminada e as mais de 29 mil lâmpadas a brilhar na Árvore de Natal, este ano com 40 metros de altura e 20 de diâmetro, o público poderá ainda assistir à atuação de um dos mais antigos e conceituados coros de gospel do país, o Saint Dominic’s Gospel Choir. O concerto juntará 50 músicos em palco e terá início às 18,30 horas.

No feriado, serão também inauguradas as duas pistas de gelo natural da cidade, localizadas na Praça de D. João I e na Rotunda da Boavista (esta integrada na Praça da Fantasia). Neste dia inaugural, o acesso as dois espaços será gratuito desde as 20 horas até ao fecho.

A pista de gelo da Praça de D. João I servirá de palco, neste dia, às 16 horas, a um espectáculo de patinagem artística, que retrata o imaginário da chegada das prendas de Natal e promete surpreender o público com muitas acrobacias.

PROGRAMA

15:00
– Coros itinerantes “Dar Corda ao Natal” | Baixa do Porto

15:30
– Desfile da Batucada Radical | Baixa do Porto
– Espetáculo de comédia de Mr. Bang | Avenida dos Aliados (placa superior)

16:00
– Concerto PopUp com as Vozes Portáteis | Varandim da Torre dos Clérigos
– Espetáculo no gelo “Prendas de Natal Animadas” | Praça de D. João I

16:30
– Concerto de Carolina Deslandes | Avenida dos Aliados (placa superior)

18:00
– Espetáculo de fogo de artifício | Praça do General Humberto Delgado
– Ligação das luzes e inauguração da Árvore de Natal | Praça do General Humberto Delgado

18:30
Concerto de Saint Dominic’s Gospel Choir | Avenida dos Aliados (placa superior)

 

Diabo na Cruz

 

Quem nunca viu Diabo na Cruz ao vivo, não sabe o que é realmente Diabo na Cruz.

No palco nasce a mitologia de algo maior. Seguem-se os impulsos e as emoções, cometem-se excessos em nome da libertação e desenha-se uma narrativa entre as canções e as pessoas.

Diabo na Cruz é uma banda que se inspira no legado da música portuguesa, mas que é fundamentalmente uma banda rock, ancorada no século XXI.

Com rituais resgatados das romarias – o comboio humano que espontaneamente se forma no meio do público em “Chegaram os Santos” – e de concertos de estádio – Jorge Cruz, de guitarra em riste, a saltar da bateria em “Fecha a Loja”.

Numa entrega mútua entre público e palco, a banda tem cimentado um percurso único e uma festa sem paralelo no panorama nacional.

Classificação: M/06 anos

22 NOV

22:00 h

Coliseu Porto Ageas

 

HHY & The Macumbas

 

Os HHY & THE MACUMBAS são um coletivo fundado em 2009 por Jonathan Uliel Saldanha, enquanto laboratório para o desenvolvimento de uma linguagem sincrética que parte de músicas periféricas, absorvendo estruturas marginais e expandindo as normativas de formato.

Tem no seu núcleo duro músicos fundamentais da cena musical portuense: Filipe Silva, João Pais Filipe, Brendan Hemsworth, Frankão, Álvaro Almeida e André Rocha, assim como uma rede expandida de colaboradores e músicos que participam nos ensembles mais alargados.

 

Andrea Motis

 

O espantoso em Andrea Motis é que apesar da sua tenra idade – a trompetista e cantora de Barcelona soma apenas 23 anos – ela já conta com um álbum em nome próprio na prestigiada etiqueta Impulse! – Emotional Dance foi editado, perante aclamação generalizada, em 2017 -, variadíssimas colaborações com o seu mentor, o baixista Joan Chamorro, o primeiro dos quais, Joan Chamorro presenta Andrea Motis, quando contava meros 15 anos de idade. A esse registo somam-se mais uma dezena (!!!) em colaboração com o seu mentor ou com o colectivo Sant Andreu Jazz Band, uma marca impressionante de um talento fora do comum que logo em 2007, quando Andrea tinha apenas 12 anos, se começou a manifestar em palcos de forma muito séria.

No seu período formativo, Motis, que também é uma executante sólida no saxofone alto, tocou trompete – que considera o seu primeiro instrumento, ao lado de grandes nomes do jazz mundial como o trombonista Wycliffe Gordon, os saxofonistas Jesse Davis e Dick Oatts ou o clarinetista Bobby Gordon. “Tocar trompete”, explica, revelando uma sabedoria bem mais ampla do que a sua idade deixaria antever, “é como meditar. É parte importante da minha vida. Mas não quero apenas escolher um lado, porque gosto de tudo”, confessa, referindo-se ao facto de ao lado de Chamorro ter igualmente descoberto a sua voz como instrumento.

Naquele que é já o seu segundo registo para a Impulse!, Emotional Dance, a sua voz ocupa um espaço de eleição. Comparada tanto a Billlie Holiday como a Norah Jones, Andrea Motis revela uma voz alto, com fraseado sucinto, mas imaginativo, bem expresso logo no tema de abertura, o standard “He’s Funny That Way”. A propósito deste álbum, John Fordham escreveu no Guardian que Motis tem aparência de grande estrela desde a adolescência e descreve o resultado final como “uma sessão que nos prende”. Será igualmente assim em palco, num concerto em que a jovem Andrea Motis poderá mostrar que o talento e a capacidade de encantar não precisa do peso dos anos para se manifestar.

 

FIMP – Festival Internacional de Marionetas do Porto

 

O FIMP traz-nos nesta edição uma seleção de propostas que não deverá deixar ninguém indiferente. Das últimas criações das companhias da cidade até algumas das experiências mais estimulantes no panorama nacional e internacional, são muitas e boas as razões para acompanhar o programa deste festival que a nossa cidade escolheu não perder.

Quatro duos a três, vários solos em boa companhia e mais uns quantos agrupamentos singulares. As apresentações decorrerão no Teatro Municipal do Porto e no Teatro Nacional de São João, assim como numa grande variedade de contextos por toda a cidade.

O programa é atravessado por algumas linhas temáticas, fruto das inquietações dos artistas presentes e que nos podem ajudar a desenhar um percurso. A passagem do tempo e os seus efeitos na nossa vida coletiva, o destino da humanidade e das suas invenções técnicas, são alguns dos traços visíveis no conjunto. O caso é sério, ainda que capaz de nos fazer sorrir. A marioneta, as formas animadas, o teatro visual, a performance com objetos e a música experimental estão à altura da tarefa.

Frágil
Teatro de Marionetas do Porto · PT
10, 11, 12 Out · 10h, 15h
13 Out · 19h
14 Out · 16h
TeCA Teatro Carlos Alberto
45′ · M3

 

Sarah McKenzie

 

Sarah McKenzie apresenta na Sala Suggia, Paris in The Rain, o seu álbum mais recente lançado em 2017 pela Impulse!.

Há cerca de quatro anos, a cantora e pianista participou no concurso do Umbria Jazz Festival, tendo como resultado uma bolsa completa no prestigiado Berklee College of Music.

Dezoito meses depois foi convidada pela Universal Publishing France para gravar um disco para a Impulse!.

4 OUT 2018
Quinta-Feira 21:30
Sala Suggia
Casa da Musica